O equipamento para fabricação de cadeira de rodas personalizada foi aprovado pelo Campeão mineiro de Tênis de quadra em Cadeiras de Rodas Gustavo Carneiro

Imagem CINTESP.Br® – Teste de validação – Paratleta Gustavo Carneiro e o pesquisador Lucas Cardoso.

O equipamento para fabricação personalizada de cadeira de rodas desenvolvido pelo Centro Brasileiro de Referência em Inovações Tecnológicas para Esportes Paralímpicos (CINSTESP.Br), em Uberlândia, uma iniciativa do Ministério de Ciência Tecnologia e Inovação (MCTI), em apoio ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e as pessoas com deficiência, está em fase final de testes.

O objetivo do CINTESP.Br® e do MCTI é atender às demandas em Tecnologia Assistiva (TA), este novo equipamento é de suma importância para a adequação postural do usuário de cadeira de rodas, por permitir a personalização dos diferentes modelos e configurações de cadeiras de rodas, atendendo corretamente as necessidades do usuário, permitindo que ele tenha o maior benefício possível, melhorando a sua qualidade de vida.

Os testes foram finalizados nesta última quarta-feira dia 16 de abril no centro de validação de protótipos parte do CINTESP.Br®, localizado na Arena Sabiazinho, em Uberlândia pelo paratleta Gustavo Carneiro, campeão mineiro de Tênis em Cadeiras de Rodas, um dos melhores paratletas jogadores de tênis, no Ranking Mundial. “O equipamento de prescrição de cadeira de rodas personalizadas permite a configurações de diferentes tipos de cadeiras de rodas, sendo destinado as pessoas com deficiência para o esporte ou para a vida diária de forma a contribuir com a saúde e a qualidade de vida”.

O Equipamento de Prescrição de Cadeiras de Rodas Personalizadas (SWCE) possui multi-regulagens com 36 ajustes modulares que se modelam às necessidades anatômicas do cadeirante, dando a pessoa com deficiência liberdade de escolha dentro do que melhor corresponde ao seu conforto e segurança, a partir de uma análise ergoantropométrica diretamente relacionada à sua cinesiologia de propulsão.

Com o equipamento, o gesto motor de impulsão da cadeira também pode ser avaliado sob a ótima de diversas combinações de ajustes possíveis, que exploram a capacidade biomecânica do cadeirante, ampliando a sua percepção psicomotora, seus limites físicos e seu autoconhecimento fisiológico.

Uma vez configurado para a anatomia do cadeirante, na melhor condição de conforto, segurança, desempenho e estabilidade, o equipamento permite o registro direto e preciso de todas as medidas ergoantropométricas do cadeirante, gerando uma base de dados que é implementada no escopo de projeto da Cadeira de Rodas dentro da escolha do usuário, passando por um tratamento de otimização, por meio de desenho parametrizado em software de CAD (desenho assistido por computador).

Ao final deste processo, são geradas fichas de fabricação com o modelo preciso da Cadeira de Rodas Personalizada, correlacionado às configurações ajustadas no Equipamento, que são enviadas para um fabricante especializado. O resultado desta metodologia deve ser a entrega de uma cadeira de rodas personalizada para a vida diária ou para o alto rendimento para o cadeirante avaliado.

Considerando “o método convencional baseado apenas em tirar medidas com fita métrica e mandar para a fábrica, este novo método desenvolvido pelo CINTESP.Br® poderá de fato resolvendo essa limitação, viabilizando uma modelagem física em tempo real, baseada numa experiência psicomotora direta” disse Lucas Cardoso, pesquisador responsável pelo Projeto.

Esta iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em apoiar o desenvolvimento de inovação na área de Tecnologia Assistiva, juntamente com o CINTESP.Br®, visa desenvolver tecnologia assistiva nacional de valor acessível para atender a demanda da sociedade, considerando os objetivos da pessoa com deficiência, priorizando sua independência de mobilidade, seja no esporte ou na vida diária, entre outros fatores, tais como a condição física e motora, saúde, qualidade de vida, e as especificidades.

 

Esta iniciativa abrange diversos fatores na sociedade brasileira, com a transferência da tecnologia ao setor produtivo, a intenção é estimular o ciclo de P&D dinâmico, flexível e diversificado em inovação, entre outros, fatores que impactam o crescimento socioeconômico do país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário